Luiz Carlos Trabuco Cappi, líder do Bradesco, destaca a economia na reforma previdenciária

Ao ser entrevistado pela revista Valor, o presidente do Grupo Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi, traçou um panorama acerca dos impactos que a previdência tem sobre a vida dos brasileiros. Em tempos onde se especula se a reforma previdenciária deve ou não ser realizada, o executivo informou alguns pontos demonstrando que trata-se de umas mais importantes ações para os próximos tempos. Segundo o líder da instituição, as alterações nos processos previdenciários, entretanto, devem ser adotadas sem imediatismo, uma vez que outras áreas também precisam estar em conformidade com as novas regras.

Apesar de acreditar no potencial que o pacote de medidas terá para a previdência, o executivo do Bradesco destacou que cabe exclusivamente às autoridades envolvidas a escolha de uma data mais propícia ao início da reforma. Luiz Carlos Trabuco Cappi, contudo, acredita na iminência de que o fato ocorra e apostou no ano de 2018 como o mais provável para que o processo tenha seu começo. O responsável por presidir a instituição, no entanto, não considerou os últimos meses de 2017 como passíveis de qualquer alteração previdenciária em razão do curto espaço de tempo para as modificações no segmento.

Com destaque para a situação do Tesouro Nacional, o presidente da organização explicou que a reforma previdenciária atenderá demandas de diversos setores da sociedade. Para Luiz Carlos Trabuco Cappi, caso nada fosse feito para frear o escoamento de dinheiro proveniente da previdência, tal situação poderia comprometer o andamento de processos de aposentadoria de pessoas que hoje são jovens. Além disso, o executivo aproveitou a ocasião da entrevista para relembrar o risco que a situação fiscal do país poderá correr em face do desequilíbrio previdenciário.

O presidente da instituição financeira apontou para uma nova realidade apresentada pela economia nos últimos tempos. Esse novo comportamento, segundo informações do segmento bancário, foi destacada pelo executivo como algo ocasionado pela expectativa de uma reforma previdenciária no país. Um dos pontos mais expressivos do atual cenário apresentado pelas empresas do ramo financeiro diz respeito ao súbito aumento da demanda por crédito. De acordo com o gestor da corporação, essa alavancada dos produtos creditícios passou a ocorrer pelo fato da clientela ter retomado sua confiança na área.

Um outro assunto abordado durante a entrevista para a revista Valor tocou no assunto do Banco Central ter inaugurado a “Agenda BC+”, onde a instituição conta com o auxílio do Sistema Financeiro Nacional para anunciar publicamente todos os passos que serão tomados na rotina das duas instituições. Conforme pontua Luiz Carlos Trabuco Cappi, a iniciativa tem conseguido obter sucesso em suas ações. Como resultado, os agentes financeiros puderam notar uma considerável redução dos chamados “spreads”, salienta o executivo.

Mesmo com algumas perspectivas de que os juros possam subir, configurando uma espécie de tendência para o próximo triênio, Luiz Carlos Trabuco Cappi consegue olhar para a economia com otimismo, ainda que o segmento financeiro venha a experimentar algum tipo de instabilidade em suas atividades. Com base nas mudanças traçadas pelo governo, ele enfatiza que a situação do setor bancário poderá ser amenizada.